Conheça Francisco Morato, única cidade que deu vitória para Haddad na Grande SP

Humberto Muller

Com 174 mil habitantes, Francisco Morato é a cidade mais populosa da região norte da Grande São Paulo. Mas é a menor em área.

Espremida entre a linha férrea da CPTM e uma área verde denominada de Serra dos Cristais, o município foi o único entre os 39 da região metropolitana onde Fernando Haddad (PT) teve um número de votos superior aos recebidos por Jair Bolsonaro (PSL), eleito presidente.

O resultado surpreendeu moradores da cidade, onde não há vereador do PT e hoje é administrada por Renata Sene (PRB), que não declarou apoio no segundo turno. O PT governou apenas uma vez, entre 2009 e 2012, quando o ex-tucano Zezinho Bressane venceu as eleições.

“É surpreendente. O PT não é um partido muito forte aqui, a esquerda no geral não era”, afirma produtor cultural Roger Neves, 42. Ele faz parte da Associação Sociocultural Confraria Poética Marginal (Conpoema), que existe desde 2007 na cidade, e apoiou o ex-prefeito de São Paulo.

A vantagem foi apertada. Haddad obteve 50,87%, contra 49,13% de Bolsonaro. Na primeira rodada de votação, o presidente eleito teve 37,45% contra 32,66% do petista.

Roger aponta algumas hipóteses para o resultado fora da curva no estado. “A população de Morato é constituída de muitos nordestinos, e lá no nordeste existe esse legado do governo Lula, que foi muito positivo para os mais pobres. Acredito que tenha feito diferença”, afirma.

Diariamente milhares de pessoas saem de Francisco Morato para trabalhar, a maioria em trens da CPTM (Humberto Muller/Agência Mural/Folhapress)

O último censo do IBGE é de 2010, mas mostra essa tendência. Cerca de 32% da população de Morato não nasceu no estado de São Paulo. Destes, quase um quarto (23,24%) são nordestinos.

Ainda segundo o IBGE, a renda per capita de Morato é de R$ 483,98. A melhor colocada na região metropolitana, São Caetano do Sul, tem renda de 2.043,74, quatro vezes mais. 56,59% da população do município se declarou preta ou parda, maior percentual da região metropolitana.

“É uma cidade empobrecida, com planejamento zero. Também é uma cidade com muitos negros e recentemente recebeu imigrantes bolivianos, haitianos, angolanos. Discursos de cunho racista, ou contra migrantes e imigrantes são argumentos que aqui não pegam”, completa Roger.

CIDADE E REGIÃO

Diariamente, milhares de moradores saem cedo da cidade e retornam no final da tarde apenas para descansar. Alguns trabalham na capital e dependem da linha 7-rubi da CPTM.

Com 175 mil habitantes, Francisco Morato é a cidade com menor IDH da região metropolitana de São Paulo (Humberto Muller/Agência Mural/Folhapress)

Quase quatro entre cada 10 moradores de Francisco Morato estão em lares onde há verbas do Bolsa Família. Na Grande São Paulo, a cidade fica atrás apenas de Juquitiba (46% dos moradores estão no programa), mas lá Bolsonaro levou a melhor.

O cenário foi diferente de todas as cidades no entorno de Francisco Morato. Bolsonaro venceu no segundo turno com 73% dos votos em Mairiporã, 65% em Caieiras e 58% em Franco da Rocha, cidade administrada pelo PT, cujo prefeito Kiko Celeguim venceu com folga em 2016, com 73,41% dos votos.

Francisco Morato hoje depende de recursos estaduais e federais para dar andamento às obras, muitas iniciadas em governos anteriores.

A arte educadora Silvia Sapucaia, 40, diz temer uma possível diminuição de repasses, como os que vem do Ministério das Cidades. “Ainda temos muitas obras paradas em Morato, acompanhei a construção do CEU das artes por exemplo, e até hoje não está como era pra ser.”

Praça Belém da Serra, no centro de Francisco Morato, única cidade da Grande SP onde Fernando Haddad (PT) venceu o adversário Jair Bolsonaro (PSL) (Humberto Muller/Agência Mural)

Recentemente algumas foram retomadas, como a nova estação da CPTM, cuja substituta está funcionando há 8 anos provisoriamente. Em 2018, foram retomadas também uma obra emergencial na UPA-24h, que tem funcionado parcialmente. Há ainda a nova sede da prefeitura municipal, parada desde 2012.

Sobre as eleições Silvia se diz pessimista. “Essa eleição foi uma das piores que eu já vi, certamente a pior desde a do Collor. Fiquei muito chateada com o rumo que tomou, eu mesma não votei no segundo turno”, comenta. Dos 121 mil eleitores, mais de 40 mil votaram em branco, nulo ou faltaram a votação em Morato (34%).

“Pela primeira vez, não acreditei que ia adiantar meu voto. Acho que Francisco Morato tem muito a perder, o primeiro lugar que vai ser atingido por um possível corte de verbas é aqui. A gente é marginalizado mesmo, à margem da sociedade de São Paulo, e as margens são sempre atingidas primeiro.”

Humberto Muller é correspondente de Mairiporã
humbertomuller@agenciamural.org.br

Responda pesquisa sobre a Agência Mural

Ex-eleitores do PT em Itaquaquecetuba explicam voto em Bolsonaro

Conheça o site da Agência Mural

Bolsonaro vence na maioria das periferias de São Paulo

Comentários

  1. Isso gente, morato é horrível, não mudem prá lá, deixem como está, cidade pacata, povo humilde mas educados, de boa indole, quando vamos atravessar as ruas motoristas passam, enfim, graças a deus somos assim, mas pode apostar, não somos bobos, sabemos exatamente o que é melhor para nosso município, eleições para prefeito(a) está chegando, não vamos esquecer de nada.

Comments are closed.